Quando os teus pensamentos te matam



Houve um tempo em que tive imensos receios em falar sobre a minha ansiedade. 
O meu primeiro ataque de ansiedade ocorreu no ano em que frequentava o sétimo ano. E desde esse dia, comecei a ter que aprender a lidar com os meus medos e contratempos com mais suavidade e racionalidade. 
Não é fácil viver diariamente sem saber que situações nos podem desencadear alguma reação mais descontrolada. É como se não pudesse controlar os meus pensamentos e a minha forma de agir. 
A sensação de ansiedade é algo tão desconfortante e frustrante, os pulmões parecem não receber o oxigénio nessário, o peito fica pesado, os olhos em água, a garganta fica seca e as noites não perecem ter horas suficientes para descansar o nosso grande peso, a cabeça. 
A ansiedade é apenas uma consequência de pensar demasiado. Esse é um dos meus grandes defeitos, pensar demais, logo sentir demais. 
A grande maioria dos dias, acordo inspirada para começar um novo e grandioso dia, mas por vezes essa vibe é apagada pelos pensamentos negativos. E os nossos pensamentos são a grande chave para a nossa felicidade ou infelicidade. 
Tenho vindo a aprender que tudo depende de uma questão de perspetiva. A forma como moldamos os nossos pensamentos é o resultado das nossas reações. 
Eu tento o máximo que posso moldar a minha perspetiva para o lado positivo mas como sou humana, também consigo ser muito dura e moldo para o lado negativo. 
Com isto eu quero chegar a um único ponto: os vossos pensamentos tanto podem ser os mais puros e amorosos como podem ser a vossa faca preparada para abrir golpes. 
Nunca se deixem levar por um mau dia, uma má atitude ou um erro, continuem sem medo do depois e sorriam muito, pois cada um de nós é especial. 
Nunca deixem que os vossos pensamentos vos deixem ansiosos e que vos mate.